sexta-feira, 1 de abril de 2016

Parabéns, Avô...





Se estivesses nesta vida terrena completarias hoje 93 anos. Infelizmente, há 18 anos deixaste-nos de forma abrupta e sem explicação.

Guardo de ti memórias, desde a mais terna infância, o teu sentido de humor, o gosto pelas palavras contadas por meio de lições, que eu e demais netos ouvíamos deliciados junto à lareira.

Eras, sem dúvida, um homem de personalidade forte, honesto, inteligente, com mau feitio é certo (risos), mas com um coração do tamanho do mundo.

Amavas incondicionalmente os teus, e especialmente os teus netos, e em particular uma delas, que criaste como filha e que de todos nós, será a que mais sofreu com a tua perda. 

Infelizmente, após a tua ausência, outros nasceram e não tiveram a oportunidade e o privilégio de te conhecerem.

Estejas onde estiveres, tenho a certeza que te orgulhas do que construíste e nós, apesar das tuas rabugices, nunca te esqueceremos e guardar-te-emos no coração, porque também sabemos que és a nossa estrelinha no céu.

Parabéns, Avô! 

Esmy

8 comentários:

  1. Era assim que deveríamos ser recordados: pelo todo que somos. Ninguém é perfeito, nem deve ser eternamente julgado apenas pelos erros que cometeu. Só assim a memória do todo prevalece, ao fim de 18 anos.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  2. O meu era rabugento, ia a Quarteira, sentar-se na marginal "ver as gajas" na praia dizia ele, na verdade só queria espairecer... Só tinha uma neta, e fez tudo por mim, sem ele eu não era nada. Ensinou-me, acima de tudo que tudo envolve esforço e que se me dava algo, era porque eu me esforçava para o merecer. Mal sabe ele o que passei depois de ele ter falecido... Enfim, coisas do destino

    ResponderEliminar
  3. Percebo perfeitamente, mas os valores que te incutiu, enquanto presente, certamente te ajudaram a ultrapassar esses obstáculos e de certeza que te lembraste e lembras dele com muita ternura.

    ResponderEliminar