sexta-feira, 17 de junho de 2016

Ela sabia...

Ela sabia que nada poderia fazer para lhe recuperar o músculo, que apenas batia por ser essa a sua principal função naquele momento.

Os dias passavam-lhe como um mar revolto, em constante frenesim perante os seus olhos desatentos e ofuscados e cujo brilho, que lhes era característico morrera há uns tempos atrás, sem direito a uma despedida à altura.

Adormecera em si a tentação de sair daquela inércia, que já se empregnara na sua alma e ela própria começava a padecer da sua dor, sem se dar conta. Sentia-a como sua e sofria com os seus diálogos silenciosos, que mais queriam dizer, não estou aqui, mas algures em memórias passadas.

Ela, perdida, abria-lhe o coração e a mente na esperança de o trazer à razão e ofertava-lhe algum do seu tempo, a amizade nos mais singelos gestos e cobria-o de alento, enquanto ia ela própria perdendo os dias e as horas, sem retorno.

Ela nada podia fazer, a não ser estar presente e consciente de que nada dependia de si, mas de escutar os silêncios e respeitá-los, mesmo que para tal implicasse, sentir-se abandonada num barco com dois remos...

Esmy 


2 comentários:

  1. Ninguém abandona tal entrega. Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Isso é tudo uma questão de perspectiva e de vontade! Beijinho

    ResponderEliminar